Jean-Pierre Poulain

Sociologias da Alimentação

Florianópolis, Editora da UFSC, 2004.

Tradução:

Jaimir Conte

Rossana Pacheco da Costa Proença

Carmen Silvia Rial

Capa da 1ª edição brasileira – Ed. da UFSC, 2004.

 

Capa da 2ª edição brasileira – Ed. da UFSC, 2014.

 

 

Tradução do livro: Sociologias da alimentação: os comedores e o espaço social alimentar. Florianópolis, Editora da UFSC, 2004, 311 páginas. Obra traduzida juntamente com Rossana Pacheco da Costa Proença e Carmen Silvia Rial. ISBN 85.328.0290-7. [Título original: Sociologies de l'alimentation: Les mangeurs et l'espace social alimentair. Obra publicada originalmente pela PUF, Paris, 2002. Edição original 288 páginas. ISBN: 213050643. Janeiro 2003, 2e édition. Etnologia-Antropologia]

 

Índice

Primeira parte:

Permanência e transformações da alimentação contemporânea

Capítulo 1: A mundialização e os movimentos de deslocalização e re-localização dos alimentos

Capítulo 2: Entre o doméstico e o econômico: fluxo e refluxo do culinário

Capítulo 3: A evolução das maneiras de comer

Capítulo 4: Dos riscos alimentares à gestão da ansiedade

Capítulo 5. A obesidade e a medicalização da alimentação cotidiana.

 

Segunda parte:

Do interesse sociológico pela alimentação às sociologias da alimentação

Capítulo 1: As grandes correntes sócio-antropológicas e o seu encontro com o “fato alimentar”

Capítulo 2: Os obstáculos epistemológicos

Capítulo 3: Do interesse sociológico pela alimentação às sociologias da alimentação

Capítulo 4: As sociologias da alimentação e as tentativas de articulação

Capítulo 5: A sociologia da gastronomia francesa

Capítulo 6: O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares

À título de conclusão: Por um positivismo construtivista

 

 

 

 

Num contexto de “crise alimentar”, o sociólogo é hoje interpelado por seus colegas “proprietários” de territórios científicos vizinhos: nutricionistas, especialistas das ciências dos alimentos e da segurança alimentar, economistas, administradores, politicólogos [...] para tentar esclarecer o que estes designam, de seu ponto de vista, como “a irracionalidade” dos consumidores. Para o sociólogo, o ato alimentar não é somente biológico, ele é também uma representação concreta dos valores mais fundamentais de uma cultura ou de uma época. É por isso que a modernidade alimentar e as crises que a acompanham são lugares de leitura privilegiados para compreender as mutações sociais contemporâneas. Esclarecendo os riscos identitários e simbólicos que sustentam a alimentação, a sociologia participa da sua compreensão e coloca à disposição dos atores sociais engajados nos diferentes níveis da experiência alimentar instrumentos de gestão da crise. Esta obra faz o inventário das contribuições da sociologia para a compreensão da alimentação. Recorrendo à história da sociologia, ela mostra como, em torno de problemáticas consideradas como mais fundamentais esta disciplina deparou-se com a alimentação. Ela procura as condições para que o olhar sociológico concentre-se sobre a alimentação. Este percurso passa pelo esclarecimento dos vínculos que se tecem no seio da sociedade francesa entre as ciências sociais e a gastronomia, acontecimento histórico e antropológico que estrutura sempre, e seja qual for a posição social dos atores, sua relação com a alimentação.

Mestre de conferências em sociologia na Universidade de Toulouse-Le-Mirail, Jean-Pierre Poulain dirige o Centro de Estudos do Turismo e da Indústria Hoteleira (CETIA) e um DESS “Ciências sociais aplicadas à alimentação”. É membro do Centro de estudos das racionalidades e dos saberes (CERS) UMR-CNRS n. 5117 e colabora no Comitê de pesquisa: Sociologia e antropologia da alimentação da Associação Internacional dos Sociólogos da Língua Francesa (AISLF).

 

 

Capa da 1a edição em francês – PUF, 2002.

 

Capa da 1a edição “Quadrige” – PUF, 2005.